Paraná diz ter vacinas suficientes contra febre “amarela”.

0
177

Paraná está fora da área de circulação onde é obrigatória a vacinação contra a febre amarela. Ainda assim, os 399 municípios do estado contam com vacinas suficientes para atender a população. É o que garante a Secretaria da Saúde do estado (Sesa), que adotou a vacinação seletiva, priorizando moradores e trabalhadores de áreas rurais, de matas e rios, ou turistas que vão para essas áreas para trilhas e acampamentos, incluindo também pessoas que estão com viagem marcada para estados classificados como de risco para a doença nas regiões Sudeste, Centro-Oeste, Nordeste e Norte do país e que nunca foram vacinados.

Por não ser área de risco (como o vizinho São Paulo) Paraná está aplicando a dose padrão, não fracionada, com 0,5 mililitro (mL). “O que precisamos é alertar a população para o que chamamos de vacinação seletiva, e não em massa, priorizando a faixa-etária”, explica Julia Cordellini, superintendente de Vigilância em Saúde do estado. “Aqueles que já tomaram uma dose da vacina estão protegidos, não precisam revacinar”.

Até o momento, segundo informações da Secretaria da Saúde, não há registro de falta de vacina em nenhum município do estado

Em Curitiba, a vacina é oferecida gratuitamente nos 110 postos de saúde da cidade, informa a prefeitura. Crianças a partir dos nove meses podem tomar a dose padrão. A lista de cidades brasileiras que contam com recomendação de vacina pelo Ministério da Saúde pode ser conferida no site do ministério.

Vetor

No ciclo silvestre, em áreas florestais, o principal vetor da febre amarela é o mosquito haemagogus. Já no ambiente urbano, a transmissão ocorre pelo mosquito aedes aegypti, o mesmo que transmite outras doenças como dengue, zika e chikungunya. Por isso, o trabalho deve ser principalmente de combate ao criadouro do mosquito, encontrados muitas vezes em residências, em locais que acumulam água.

“Nosso foco principal é a eliminação do mosquito. Estamos aproveitando a mobilização nacional para informar que mais importante até que a vacina é a eliminação dos pontos de água parada”, destaca Cristiane Pantaleão, presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Paraná (Cosems-PR).

No contato com as secretarias dos municípios, Cristiane informa não ter registro de falta de vacinas, apenas o de um número expressivo de pessoas em busca de uma dose. E informa as unidades de saúde estão preparadas para informar, para quem já tomou, que não há necessidade de fazer reforço.

Contraindicações

A vacina não é indicada para crianças com menos de seis meses e idosos acima dos 60 anos, mais gestantes, mulheres em período de amamentação de crianças de até seis meses, pacientes em tratamento de câncer e pessoas imunodeprimidas.

Quem porventura se enquadre nesse perfil – e que precisa viajar para áreas de risco – precisa de uma avaliação médica, que pondere os riscos da vacinação, considerando a possibilidade de reações.

Em crianças, a vacina não deve ser aplicada simultaneamente à tríplice viral (contra sarampo, rubéola e caxumba) ou tetraviral (contra sarampo, rubéola, caxumba e varicela).

Desde 1942 o Brasil não conta com nenhum caso de febre amarela urbana, a que é transmitida pelo aedes aegypti. Os casos registrados são os da febre amarela silvestre, transmitida pela picada dos mosquitos dos gêneros haemagogus e sabethes.

PUBLICIDADE